Notícias

Rede Credenciada
29 JAN

REDE UNNA - PROGRAMA DE RECICLAGEM DE AMÁLGAMA

A rede UNNA, em parceria com a Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo, lança o Programa de Reciclagem de Amálgama, cujo objetivo é preservar o ambiente, evitar o desperdício e processar adequadamente resíduos de prata, mercúrio e níquel, presentes na mistura utilizada em  restaurações dentárias.

Para aderir ao projeto, o profissional deve se credenciar, preenchendo o Termo de Adesão disponível no Kit Partner Rede UNNA e encaminhá-lo ao Departamento de Sustentabilidade. Após essa etapa, o credenciado receberá, em seu consultório, um kit especial para acondicionar os resíduos, composto de recipiente, suporte e etiqueta com instruções de manuseio. Cada profissional pode pedir quantos frascos forem necessários.

Uma vez que o recipiente estiver cheio, o dentista é orientado a encaminhá-lo ao Laboratório de Resíduos Químicos da USP de Bauru, onde os metais serão reprocessados e transformados em matérias-primas.

O material reciclado será vendido pela própria Instituição de ensino, e a renda revertida para o financiamento de pesquisas de desenvolvimento de novas tecnologias de recuperação e reaproveitamento dos metais retirados do amálgama. De acordo com José Maria Benozatti, Diretor Clínico Operacional da Rede UNNA, embora o uso do amálgama esteja em vias de extinção nas clínicas odontológicas brasileiras,  a ação é muito relevante por ajudar a combater o desperdício e realizar de forma correta o seu descarte, em especial o do mercúrio, que  tem efeitos adversos importantes sobre a saúde humana e o meio ambiente.

De acordo com o executivo, faz parte do DNA da Rede UNNA estabelecer uma conduta consciente de preservação do meio ambiente e da adoção de hábitos sustentáveis. “O objetivo é orientar nossos credenciados para a  adoção de ações de sustentabilidade em suas rotinas de trabalho. Ao aderir ao programa, além de ajudar a preservar o meio, os profissionais também estarão adequados às exigências da Política Nacional do Meio Ambiente”, afirma  Benozatti.